Grind – A domingueira mais alternativa!

flyer

24/8 – DOMINGO
Na lista: VIP até 20:30
LISTA VIP

Grind – A domingueira mais alternativa!

O dono da A Loca ficou louco: drinks em dobro de todo o cardapio ate 23:30 (cerveja, whisky, tequila, drinks, tudo exceto caipirinha e energetico)

Djs Residentes: Andre Pomba – Serjo – Gabriel Rocha – Ginger Hot
Guests DJs: Fernando Montinho – Alan Gonçalves – Creep – Cake
Show: Sheeva Hell
Celebrate Lounge: Tiago Sena – Poppy Moore – Nanda Fenix
Hostess: Katia Miranda e Renata Fassina
Door: Caio Yummy
Lounge bar by Arethusa Resiak
Divulgacao: Cassio Godoi, Gui Troiano, Nagel Noronha e Bruno Finotti

ALOCA
Rua: Frei Caneca, 916 – Consolacao – Sao Paulo
ALOCA

The Hidden Cameras

the-hidden-cameras
Domingo é dia de mais um grind especial, dessa vez os anos 2000 tomara conta das pick-ups e contagiara a pista entre as melhores musicas que marcaram essa época, que fez o rock ressurgir do pós-grunge erguendo os órfãos de Nirvana e seu legado.
Entre elas, podemos citar o The Strokes, The Vines, The Hives, The Killers, Franz Ferdinand, The White Stripes, Arctic Monkeys e The Cooper Temple Clause (sim eu gosto deles). Tivemos nesses 10 anos grandes hits que bombaram as pistas até a nova invasão das semi-divas do pop.
The Hidden Cameras OfficialCom todas essas bandas que fizeram o movimento indie ascender e sair do underground destacaria uma que não fez tanto sucesso, mas continua tão boa, ou melhor, desde seu debut “Ecce Homo” já era ali final de 2001 e o homem banda images (1)Joel Gibb afiava seu queer indie com sua então “The Hidden Cameras” a banda não tinha pudor em seus shows que iam de igrejas à cinemas pornô, o palco era coberto de go-go dancers homens mascarados usando couro ao estilo BDSM e uma orquestra de cordas.
Eles caíram nas graças do Brasil em 2003 quando a gravadora Trama em parceria com a Rough Trade encaminhou pra cá o “The Smell of Our Own” o single “A Miracle” que chegou a tocar no fim de baladas onde a galera que curtia Belle and Sebastian se dividiam em pequenos grupos de indie’s xiitas e os indie’s mainstream.

A banda infelizmente não alcançou seu lugar a sol e para sorte dos indie’s xiitas o disco “Mississauga Goddam” ficou apenas no anonimato da cena indie gay aqui no Brasil, uma pena, pois o disco é um clássico que faz alusão ao hino de Nina Simone, que sugere ao subúrbio de Mississauga em Toronto uma batalha em prol a igualdade LGBT.
Desse disco temos a linda “I Believe in the Good of Life”

Que também fez parte do longa alemão “Sommersturm/ Summer Storm”
Em 2006 a banda lançou Awoo, um excelente registro que contou com os singles “Learning the Lie”,

“Death of a Tune” e

“Awoo” no mesmo ano ele colaboraram para o longa do renomado Cameron Mitchell, responsável por Hedwig e Shortbus, a musica que entrou na trilha sonora de “Shorbus” foi “ Boys of Melody”

Também em 2006 The Hidden Cameras contribuíram para o documentário
de Malcolm Ingram o:

“Small Town Gay Bar” que conta a historias de dois bares gay’s que fundo do sudoeste dos Estados Unidos um em Shannon Mississippi e ou outro em Meridian Mississippi é focado em no crime brutal contra Scotty Joe Weaver morto aos 18 anos devido sua orientação sexual em 22 de julho de 2004, o crime chocou a região do Alabama é exatamente isso que é documentado em “Small Town Gay Bar” narra, as dificuldades de ser gay em uma cidade pequena.
Para essa trilha sonora foram inclusas canções lindas “Animals of Prey” “We Oh We”

“The Fear Is On” e “Ban Marriage” várias outras bandas engajadas como Metric e Broken Social Scene completam a trilha perfeita.

Três anos depois chega ao mundo o quinto album “Origin:Orphan” com os singles “In the NA” ,”Underage” e “Do I Belong?”

Com uma roupagem soturna o disco foi muito bem aceito, mas não teve um alcance grande no Canada como os anteriores.

Então em julho de 2013 foi lançado o primeiro single de “Age” a polemica escolhida foi “Gay Goth Scene” o vídeo é tão lindo e comovente que recebeu o “Short Film Award de “Direitos Humanos” na premiação do San Marino Festival Internacional de Cinema, também ganhou o “Bluebell Honor Award” da Tadgell “, sendo nomeado” melhor Curta-Metragem Sobre/para os Jovens “, no dia 16 de julho ganhou o “Auburn International Film Festival” para Crianças e Jovens Adultos em Sydney, na Austrália, e melhor curta alemão no “International Queer Film Festival” em Hamburg, Alemanha.
Apenas com esse single uma linha mais eletrônica passando por sintetizadores “Age” caiu nas graças da cena Queer e é considera um forte candidato ao disco do ano 2014.

Em 18 de julho a banda lançou mais um clip/single que é outro tapa na cara da sociedade a escolhida da vez foi “Carpe Jugular”

Texto por Fernando Montinho